17/02/2019 – A Formação do Homem

by

1  TRIMESTRE

A UNIDADE NA TRINDADE / A REBELIÃO DE LÚCIFER /A FORMAÇÃO E NATUREZA DO HOMEM / A QUEDA DO HOMEM E CONSEQUÊNCIAS DO PECADO /O PLANO DA SALVAÇÃO / REGENERAÇÃO E SANTIFICAÇÃO PARA UNIDADE E COMUNHÃO COM DEUS

INTRODUÇÃO

Segundo a história secular, o homem teria passado por uma linha de evolução, iniciada  aproximadamente entre cinco e sete milhões de anos, sofrendo diversas alotropias.
Partindo de primatas pré-históricos, foi sendo submetido ao processo de Hominização através dos muitos milhares de anos que se passaram.

 

Mas a bíblia é clara e enfática ao afirmar que o

homem foi criado no sexto dia da criação. O homem não veio de nenhum material biológico pré-existente ou da evolução da família dos primatas antigos.

O homem foi criado pessoalmente por Deus, que utilizou materiais inertes, sem vida, pois o Senhor Majestoso foi quem criou a vida.

 

“ E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente.” Gn 2:7

“ E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo o réptil que se move sobre a terra.
E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou.“ Gn 1:26,27

 

 

A Criação do Homem

 

E formou o SENHOR Deus o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego de vida; e o homem foi feito alma vivente.” Gênesis 2:7

O verbo yatsar ‘formou’ sugere o trabalho de um artesão moldando a sua obra em barro. Deus se envolveu pessoalmente com a criação do homem, enquanto modelava o corpo humano do barro, e após, soprou em suas narinas o fôlego de vida.

O sopro divino descrevia a forma como o Senhor infundiu o Espírito no ser humano, ao qual deu ao homem a capacidade intelectual, moral, relacional e espiritual.

Diferentemente de todo o restante da criação, onde Deus simplesmente utilizara o termo ‘haja’, com o homem o Senhor demonstra profundo cuidado e planejamento.  Agora havia chegado o momento ápice de toda obra criadora, tudo que foi criado anteriormente, era destinado a comportar, sustentar e manter a vida da jóia prima da criação.

 

Como Deus criou o Homem

 

 ” E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança. ” Gênesis 1:26

Adão era o único ser em que Deus utilizou a sua própria imagem, uma criatura feita para refletir a sua glória. Deus estabelece um padrão moral altíssimo para o ser humano  semelhante ao próprio Deus.
A visão tradicional da criação, está associada com a imagem de Deus no homem, representando a sua moral e ética, bem como a habilidade intelectual que recebeu do criador. Agregado a isso, de acordo com a gramática hebraica, e com o conhecimento das tradições do antigo oriente, a interpretação melhor do texto seria ‘façamos o homem como a nossa imagem’. A preposição hebraica equivalente a [à] nesta frase pode ser traduzida no sentido da conjunção [como].

Deus colocou o homem na Terra como o símbolo vivo dele mesmo, para representar o seu Reino e o seu domínio, pois nós segundo à sua imagem, somos o Seu Reino, o Reino de Deus está em nós.

E nós fomos feitos conforme à sua semelhança, ou seja, somos o reflexo da majestade divina na terra. Deus criou um ser pessoal, com objetivos, com propósitos bem claros e definidos. Diante dos milhares de milhares de seres espirituais, cada qual com mais poder e grandeza do que outros, não há notícia de que Deus tenha feito tal ato por nenhum outro ser criado. Nem por anjos, nem por arcanjos e nem por querubins ou qualquer outro ser vivente, exceto pelo ser humano.

 

Deus formou o Homem do pó da terra

 

Para formar o corpo do homem, Deus utilizou de matéria existente. Deus tomou o pó da terra e com ele modelou o ser que chamou de “homem”. O homem foi feito do pó da terra, sendo, portanto, da terra (Salmos 10:18)

 

Deus soprou nas narinas do Homem o fôlego de vida

 

A Bíblia muitas vezes refere-se ao fôlego da vida como sendo o espírito do homem. É um termo que representa a energia divina, a energizante centelha de vida que é essencial à existência de todos os seres viventes. A palavra espírito vem do hebraico “ruach” e do grego “pneuma”. No Antigo Testamento, a palavra hebraica “ruach” aparece 377 vezes e é traduzida como: vento, fôlego ou espírito. No Novo Testamento, a palavra “pneuma” é igualmente traduzida como: espírito ou respiração.
Nem no Antigo nem no Novo Testamento “ruach” ou “pneuma” se referem a alguma entidade inteligente capaz de existir independentemente do corpo.
A união do fôlego da vida com o barro inanimado tornou o homem uma alma viva, uma personalidade responsável, capaz de compreender e apreciar a Deus, capacitando-o a pensar, querer e amar.
Esse fôlego de vida é o “sopro do Todo-Poderoso” (Jó 33:4), a centelha de vida. É a energia que Deus pôs nos seres viventes, quando os criou no princípio. Podemos compará-la com as correntes de eletricidade que fluem através dos vários componentes elétricos, os quais trazem som e movimento àquilo que antes era apenas material morto.
A Bíblia diz que, quando o fôlego de vida deixa o homem, ele morre e seus pensamentos perecem:
Sai-lhe o espírito, e ele volta para a terra; naquele mesmo dia perecem os seus pensamentos.” Salmos 146:4.
E o pó volte para a terra como o era, e o espírito volte a Deus que o deu.” Eclesiastes 12:7.

Na morte, ocorre o oposto do que aconteceu quando Deus deu vida a Adão, o primeiro homem. Quando o espírito (fôlego de vida) volta para Deus, a criatura volta ao pó, e sem este fôlego a pessoa não mais existe como criatura viva, consciente e pensante.
É interessante destacar que, além do ser humano, os animais também têm o “fôlego de vida”:
“ E expirou toda a carne que se movia sobre a terra, tanto de ave como de gado e de feras, e de todo o réptil que se arrasta sobre a terra, e todo homem. Tudo o que tinha fôlego do espírito de vida em suas narinas, tudo o que havia na terra seca, morreu.” Gênesis 7:21, 22.

“ Pois o que sucede aos filhos dos homens, isso mesmo também sucede aos animais; uma e a mesma coisa lhes sucede; como morre um, assim morre o outro; todos têm o mesmo fôlego; e o homem não tem vantagem sobre os animais, porque tudo é vaidade. Todos vão para um lugar; todos são pó, e todos ao pó tornarão.” Eclesiastes 3:19,20.

A vida dos seres humanos e dos animais depende do mesmo fôlego de vida. Perdendo-o o homem, tal como acontece com os animais, ele morre. Embora o ser humano tenha o mesmo fôlego de vida do que os animais, entre ambos, porém, há uma enorme diferença. O homem foi criado à imagem de Deus; os animais não o foram.
 

O Homem tornou-se alma vivente

 

Antes de o fôlego da vida haver sido conferido pelo próprio Deus, o corpo inanimado jazia prostrado no chão, incapaz de funcionar, sem personalidade, sem vida. Os órgãos se achavam presentes: coração, pulmões, rins, fígado, baço, cérebro, etc, todos perfeitos, mas sem vida. Veio então de Deus o fôlego comunicador de vida, e o homem tornou-se um indivíduo, uma personalidade, uma alma viva. Quando lemos atentamente Gênesis 2:7, verificamos que o texto não diz que o homem tem uma alma, mas sim, veio a ser uma alma vivente.

O corpo, o espírito e a alma são partes indivisíveis do ser humano. O escritor do livro aos Hebreus escreveu o seguinte:

Porque a Palavra de Deus é viva e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até divisão de alma e espírito, e de juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração.” Hebreus 4:12.

O pó da terra + fôlego de vida = ser vivente ou alma vivente. De acordo com Gn 2:7 o homem foi feito com 2 elementos independentes: o corpóreo e o espiritual. Contudo, quando Deus soprou o espírito dentro daquela estrutura da terra, a alma foi gerada. Por isso, o homem é o único ser capaz de interagir simultaneamente no mundo espiritual ou invisível através de seu espírito e no mundo material ou físico, por meio do corpo. A alma, como fator de unidade, tornou-se a base de nossa individualidade, de nossa existência como ser distinto. Os anjos foram criados como seres espirituais; o ser humano como alma vivente. Assim é que nas escrituras, Deus frequentemente se refere aos homens como almas. Por que isso?

 

Porque aquilo que o homem é, depende de como é a sua alma, pois esta representa a expressão de sua individualidade. É a sede do livre-arbítrio do homem. Se a alma do homem decidir obedecer a Deus, permitirá que o espírito o governe; se preferir, poderá também, na sua condição de dominadora do homem, reprimir o espírito e deleitar-se na carne. É importante considerar que no homem natural, a alma é o ponto central que constitui o nosso ser, porém no homem ressurreto, o espírito será o poder governante ( 1Co 15:44,45).

A alma pertence ao próprio ego do homem e revela sua personalidade; através do espírito o homem se comunica com o mundo espiritual e temos comunhão com Deus que é Espírito (Jo4:24). Deus habita no espírito; o eu na alma e os sentidos no corpo.

 

Destes três elementos, o espírito é o mais nobre porque se une com Deus, se tornando um com Ele ( 1Co6:16,17).

No Antigo Testamento, a palavra hebraica  “nephesh” ocorre 755 vezes e é traduzida de diferentes formas, dependendo do contexto. Ela é traduzida mais freqüentemente como “vida” (ex.: Gênesis 9:4 e 5: Salmos 31:13). Em outros momentos é traduzida como “pessoa” (ex.: Gênesis 14:21).

No Novo Testamento, a palavra grega “psyche” é semelhante à palavra hebraica “nephesh” e é traduzida como “vida” ou “vidas” (ex.: Mateus 26:38) e também como “pessoa” (ex.: Atos 2:41).

Assim como o homem foi feito alma vivente, também o foram os animais. As palavras hebraicas correspondentes a “alma vivente” são “nephesh chaiyah”, e são usadas quatro vezes no primeiro capítulo de Gênesis para descrever as formas inferiores de animais. (ver Gênesis 1: 20, 21, 24 e 30. Essas palavras ocorrem, também em Gênesis 2:19, onde Adão dá nome a toda a “alma vivente”. Também em Gênesis 9:10, 12, 15 e 16 e Levítico 11:46 são os animais chamados “almas viventes”. Em cada um desses exemplos a Bíblia na versão inglesa traduziu como “seres viventes”, mas a expressão no original hebraico é a mesma usada para o homem em Gênesis 2:7 – “alma vivente”.
Nosso estudo até aqui nos levou à conclusão de que o homem é criatura de Deus. Ele foi feito do pó da terra e lhe foi soprado nas narinas o fôlego da vida, tornando-se conseqüentemente uma alma vivente. Deus, semelhantemente, deu a todos os animais o mesmo fôlego da vida e eles também são chamados de almas viventes.

A grande diferença é que o homem foi criado à imagem de Deus, formado do pó da terra com capacidade para raciocinar e conversar com Deus. Além disso, somente aos seres humanos tem sido dada a promessa da vida eterna, àqueles que voluntariamente permitirem ser santificados inteiramente por Deus e achados plenamente conservados irrepreensíveis para vinda de nosso Senhor Jesus Cristo.

 

Equipe Pedagógica da Escola Bíblica Dominical

Projeto Vida Nova de Irajá

share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.